MICRO TRENDS

MICRO | Consumer Behavior

 

Lifestyle Ergonomics

EN | We can always be a click or a download away from what we want. Whether it’s getting from point A to point B, or whether it’s a new dress, in a world where society is divided by multiple and liquid lifestyles, products and services adapt to emerging yearnings with the intention of optimizing the consumer lifes. Interactivity has already become a social code within the roller coaster of emotions that daily life provides. The control of these new dynamics lies in the convergence and ergonomics of functions that have the driving force of technology. The latter provides a convergence of objective functionalities that articulate with the various challenges and facets of our daily lives and the specific lifestyle of each individual.

PT | Podemos estar sempre a um clique ou a um download do que queremos. Seja chegar do ponto A ao B, seja um vestido novo, num um mundo onde a sociedade está dividida por múltiplos e líquidos estilos de vida, os produtos e os serviços adaptam-se aos anseios emergentes com a intenção de otimizar a vida dos consumidores.  A interatividade já se tornou um código social dentro da montanha russa de emoções que o quotidiano proporciona. O controle destas novas dinâmicas está na  convergência e na ergonomia de funções que tem como força motora a tecnologia. Esta última proporciona uma convergência de funcionalidades dos objetivos que se articula com os vários desafios e facetas do nosso quotidiano e do estilo de vida específico de cada indivíduo.

[see the full DNA]

Rational Consumer

EN |Price is no longer what one pays for something but rather what one gets for one’s money. This reflects a growing rationality that precedes the moment of decision, driving consumers to evaluate what they will get in terms of performance, quality, durability and self-image for the amount being asked for something. This is irrespective of social class and previous consumption habits, and is driven, mostly, by the abundance of products and services on offer and, most importantly, by the amount of information at the consumer’s fingertips. So that the emotional reward for having bought something is completed by the rational certainty of having made the right choice.

PT | Esta micro tendência, que tem ganho expressão nos últimos anos, revela-nos que existe uma mutação da mentalidade orientada para a relação entre proveito/qualidade/preço. Ao contrário de tudo o que era tomado como certo, o consumidor, seja das camadas mais altas ou mais baixas, começa a revelar crescente racionalidade no momento de decisão e de compra, potencializados não só pela crise, mas também pelo aumento da informação disponível. Todos os factores são ponderados e a própria noção de estatuto adquirido é revista, pois até os descontos e os cupões perderam a conotação associada à base da pirâmide social.

H to H

EN | A “parallel economy” that rests on trading or bartering directly between consumers – and even, in some cases – companies, with the help of specialised online platforms. It encompasses from no longer wanted products, clothes and goods to accommodation, services and raw materials and even finance, reflecting a growing sense of better husbandry of resources, reduction of waste and extending the life of goods and products.

PT | A sociedade atual tem consciência dos problemas económicos, sociais e do facto de os recursos ambientais serem finitos. Esta consciência leva a um novo modo de comércio, o H to H – Consumer/Human  to Consumer/Human. As arrecadações, garagens e despensas já não precisam de estar atulhadas com coisas que não precisamos, mas que estão em boas condições. Este novo modelo de consumo permite a compra e a venda de produtos, em segunda ou terceira mão, por parte de outro consumidor. Este comportamento permite adquirir produtos mais baratos e que contribuem para a preservação ambiental, sendo que o conceito se baseia na reutilização de produtos. Continua a ser consumo, só que com menos despesa financeira e ambiental.

Excess Therapy

EN | The need to do or buy something that we usually wouldn´t, even if only sporadically.
Since we live in a stressful and demanding world that has fewer opportunities for indulgence and recreation, sometimes it is necessary to get away from the routine and experience something new and “lavish”.

PT | Vivemos numa sociedade acelerada, “stressada” e com diversos problemas económicos e sociais. Excess Therapy reflete a necessidade de fugirmos, ainda que por pequenos momentos, da confusão e da incerteza existentes. Muitas vezes, precisamos de descontrair e de desfrutar do prazer de fazer algo que está fora das nossas possibilidades habituais, que nos permite viver outro estilo de vida e sonhar com um futuro melhor; alhearmo-nos do que nos rodeia e, por momentos, desfrutar em pleno, sem culpas nem pesares.

Crowd Everything

EN | A Plural system of mimesis reflected in different behaviours from apparently homogeneous demographic groups according to given moments of the day and, most importantly, who they are with. This calls for a revision of traditional socio-demographic segmentation patterns, since, for instance, the 45-55 responsible and even staid urban married surgeon can don a completely different persona when going out on the road with the members of his motorcycle club. There are group behaviors that have increased importance, following determinate symbols and narratives. In simple terms, it relates to “monkeys see, monkey do”. We need to fit in a more elusive world of social structures.

PT | Crowd Everything é a Tendência na qual se verifica um sistema plural de mimese, ou um desejo de pertença a um determinado grupo que transcende normas demográficas e comportamentos estabelecidos. Este sistema existe há muito, mas podemos verificar um grande número de variações e derivações mais atuais, oriundas do consumo massificado e impulsionadas pela Internet e pela crescente Globalização. Formam-se grupos de indivíduos que compartilham, a diferentes níveis, ideias, ideais, gostos, crenças, valores, histórias, etc.. Estes grupos, ou tribos, tanto podem nascer online como offline e cada indivíduo pode pertencer a diversos grupos de pares, mesmo sem partilhar um espaço físico ou mesmo traços sociais e educacionais em comum. Transversalmente a qualquer um desses grupos, todos querem “ser, ter e fazer algo em comum”.

Secrecy

EN | The need for reclusion, privacy and isolation, even if only momentarily, in order to preserve oneself from the excessive exposure to prying eyes and ears – from peers, search engines and governmental agencies alike, as a response to and refuge from “Connection, Convergence & Ergonomics” and spurred by “From Revolution to Action and Demand” macro trends.

PT | Secrecy é uma micro Tendência que se caracteriza pela necessidade de reclusão, isolamento e, principalmente, pela conservação da esfera privada de cada um. Surge como uma contracorrente à Connection, Convergence & Ergonomics, complementada por um sentimento semelhante (ou até mesmo derivado, em certos casos) ao da Tendência From Revolution to Action and Demand. Num mundo onde parece que cada aspeto da nossa vida pessoal está a ser cada vez mais acessível e potencialmente exposto ou manipulado, sente-se que a linha entre o privado e o público é ténue e que, a qualquer momento, um detalhe do foro íntimo pode ser tornado público. Isto é assustador e preocupante, levando muitos a quererem “desligar-se” por completo.

Emergent

EN | The change from a “monocentri” culture to a “policentric” one. Globalization did not bring about seamless global homogeneity, but rather a “2 way exchange” of habits and symbols between what used to be “emitting” and “receiving” countries, not just as a mere commercial reciprocity, but as a recognition of how such exchanges can improve their lives whilst maintaining their identities. On the one hand, “receiving” countries gladly accept “turnkey” technology and western luxury and fashion goods, but this also causes the strengthening or regeneration of traditional habits and attitudes. On the other, “emitting” countries recognize and become more open to the growing importance of emerging economies and adopt many of their habits, products and traits as a counterpoint to a less relaxed and even less spiritual life.

PT | O mundo, a nível referencial cultural e económico, passou de monocêntrico a policêntrico. O monolitismo refencial da Europa e, nela, da Inglaterra e da França até meados do Século XX, foi substituído no pós-guerra e até o final dos anos 80, pelos Estados Unidos. O fenómeno da Globalização despoletado a partir do final dos anos 90 não trouxe consigo a esperada “homogeneização” cultural e de hábitos de consumo que se podia esperar. Pelo contrário, quanto mais globalizados os países, mais desenvolvidos estavam, mais hábitos tradicionais se arraigavam ou eram revividos, de modo a contrapor a individualidade e a atingir um equilíbrio entre uma maior prosperidade globalizada, que nem por isso era menos autêntica. Hoje, os símbolos das economias emergentes expandem-se. Os produtos, os hábitos, os serviços e os artefactos destas potências estão a ganhar um lugar cimeiro no mundo Ocidental. Com uma maior presença nos media, uma corrente de migração crescente, e um maior poder de influência no imaginário global, países como a China, o Brasil ou a Índia estão a ser palco de uma revolução que está a conduzir o mundo em novas direções económicas e culturais. Com isso, o mapa de influência mundial está novamente a mudar, e os mercados emergentes abrem-se para o mundo. Agora, mais do que meros recetores, surgem como recetores/emissores, e a mentalidade que emerge através do que os seus consumidores nos dizem é a de que “Eu aceito um mundo mais globalizado e emergente que não deve suprimir o meu mundo, mas sim melhorá-lo.”

NeoMale

neomale

EN | A redefinition of the male image, beyond the metrosexual and recapturing an almost lost masculinity. First, we saw the metrosexual, then we saw the retrosexual. Now, men are trying to solidify their place in a new order that demands more from their intelect, image, skills and manners. However, this balance is something overthrown by popular culture, resulting in a strange construction of the “sofisticated man”.  Men can be sophisticated and manly at the same time. It reflects the redefinition of the male image and behavior to recapture the essential masculinity that seemed to be lost to the metrosexual movement. Now, men are trying to solidify their place in a new order that demands more from their intellect, image, skills and manners without abdicating from fundamental male codes and traits.

PT | Neo male foca-se na reemergência e involução de representações da masculinidade. É constituída, no seu núcleo mais elementar, pelas novas e variadas formas de representar o que é másculo, que têm surgido no mundo ocidental, em contraposição a uma crescente “feminização” imposta pelos costumes e pela “correção política” dos anos 90 e 00, e que levou a uma “emasculação parcial”. Estas formas – novas no tempo mas que, na sua maioria esmagadora, remontam a usos e costumes masculinos antigos – nascem de uma simultânea cisão e evolução natural do metrossexual, o qual prevaleceu durante a década passada. Agora, surgem homens mais confiantes e em paz consigo, com a sua sexualidade, com a sua virilidade, com as suas escolhas. Na sua forma mais comum, o Neo Male é um homem que volta a reter a virilidade mas que não deixa de ser cuidado por isso.

Live The City

Untitled-13

EN | I want to improve my city and give it my personal stamp. The urban nomads are also a big manifestation of this mentality, individuals that can work anywhere because they are always available and connected. Cities are where more than half of the world’s population live, not by imposition, but by choice. And the urge to improve “my city” and give it “my personal stamp” is on the up, be it to make them more human and agreeable, less faceless and impersonal and – also and perhaps most importantly to arrest and even reverse inner city decay. So we see how hitherto derelict or “less friendly” urban spaces become the stage for renewal and innovation and becoming a magnet for hipsters, new agers, street artist and intellectuals to put their stamp upon them and turn them into better, more “livable and workable” places, whilst trying to preserve their roots and basic identity, in a movement that is evolving from “underground” to mainstream. In what regards gentrification processes, it is important to analyze how “less friendly” urban spaces become the stage for innovation and creativity (inviting hipsters, new agers, intellectuals, etc.), able to highlight the demonstrations, symbols and indigenous practices, often focusing on food and the “arts “. In Lisbon, we have the case of Lx Factory, Príncipe Real and Martim Moniz (among others), but in the United States we can consider the general case of the city of Chicago and England has the specific case of Shoreditch Cereal Killer. This is a process of change between “mainstream” and “underground” that aims to revitalize areas, while running the risk of affecting the true identity of space.

PT | Mais de metade da população mundial vive em grandes cidades, e ao contrário do que aconteceu em anos passados, a maioria das pessoas nasceu nas cidades. Quem não nasceu, vive as cidades com tanta intensidade como uma terra-natal. Gostam de torná-la na SUA cidade, cuidar dela e tratá-la como se fosse a SUA casa. A Tendência Live the City representa o interesse que as populações urbanas ganham pelo espaço onde habitam, tornando o mesmo mais acolhedor para si e para os restantes habitantes. Representa a necessidade que as pessoas têm em dar um cunho pessoal a algo que antes não tinha rosto. Quem mora na cidade conhece bem os mais recônditos cantos e histórias passadas e sabem tirar o maior proveito dela, dando em troca a dedicação e carinho para a estimular. Uma variante desta tendência em franco crescimento é a questão da gentrificação. Importa analisar como espaços urbanos “menos simpáticos” tornam-se palco de inovação e de criatividade (convidando hipsters, new agers, intelectuais, etc), capazes de sublinhar as manifestações, simbologias e práticas autóctones, geralmente com foco na restauração e nas “artes”. Em Lisboa temos o caso da Lx Factory, do Príncipe Real e do Martim Moniz (entre outros), mas nos Estados Unidos da América podemos considerar o caso geral da cidade de Chicago e em Inglaterra temos o caso específico do Shoreditch Cereal Killer. Este é um processo de mutação entre o “mainstream” e o “underground” que pretende revitalizar zonas, sem deixar de se correr o risco de afetar a verdadeira identidade do espaço.

Gamification

EN | Games are now everywhere. They permeate our daily lives and are an important factor to co-create narratives and generate motivation. The Gamification concept regards the application of game dynamics and playing techniques and their narratives in generating a link capable of motivating individuals. By addressing ideas as status and results, we are exploring the most basic psychological impulses. This practice becomes a mindset where the consumer and the creator have to create experiments designed based on games mechanics. Places, badges, victories, and discovery stories have become common in exploration activities and practices, communication and design of products / services. By achieving goals, the sense of accomplishment increases as well as the connection to the brand.

PT | A mecânica dos jogos está agora em todo o lado. Eles permeiam o nosso quotidiano e são um factor importante para as marcas na co-criação de narrativas e na geração de motivação. Gamification como conceito diz respeito à aplicação das dinâmicas e técnicas de jogo e das suas narrativas na geração de uma ligação capaz de motivar os indivíduos. Através da abordagem a ideias como estatuto e resultados, exploram-se os impulsos psicológicos mais básicos do consumidor. Esta prática torna-se uma mentalidade na medida em que imprime no consumidor e no criador a necessidade e sempre presente ideia de que temos de criar experiências desenhadas com base nas mecânicas dos jogos. Espaços, emblemas, vitórias, estórias e descoberta tornaram-se comuns na exploração de atividades e práticas, na comunicação e na conceção de produtos/serviços. Ao atingir objetivos, o sentimento de realização aumenta, bem como a ligação à marca.

From augmented to Distorted Reality

PT | In a world where image takes precedence, the circulation of images underlines the details of everyday life. We now need reality deconstruction filters – is it an utopia, or a social movement for utopia? This will affect the value of the real and the authentic in products and services. Long live the authentic!

EN | Num mundo onde a imagem tem precedência, a circulação de imagens sublinha os detalhes da vida quotidiana. Precisamos agora de filtros de desconstrução da realidade – estamos perante uma utopia, ou um movimento social para a utopia? Isso afetará o valor do real e do autêntico em produtos e serviços. Viva o autêntico!    Por outro lado, importa analisar e reflectir sobre novas manifestações que reflectem uma articulação profunda entre a macro tendência Connection, Convergence & Ergonomics e esta micro tendência. Estamos possivelmente perante uma desvirtualização do mundo, onde as várias realidades se conjugam para criar um novo mundo onde não há fronteira entre o digital e o físico. Será a convergência não apenas de aparelhos, mas também das próprias realidades numa ergonomia que pretende transpor o ser humano para um novo tipo de realidade. 

Cool Irreverence

EN | Irreverence is gainning a special meaning in todays society. Excess is a way to communicate with millenials that are sharing information too fast. In clothes or adverts, irreverence is a new must!

PT | Actualmente, a irreverência está a ganhar um sentido especial. O excesso é uma forma de comunicar com os millenials que partilham informação num passo demasiado rápido. No vestuário ou na publicidade, a irreverência pode ser uma necessidade.

Meaningful Compassion

EN | This trend reflects the compassion and empathy toward others and use of our powers and capabilities to mitigate society’s problems! It is the societal understanding that the underprivileged are an anchor for societal development. Thus, there is a shift from being mostly sorry, but impotent, about underprivileged people’s problems to the use of individual and group powers and capabilities to address them and, thus, contribute to a better, more prosperous and sustainable society.

PT | Esta tendência reflecte a compaixão e empatia para com os outros e utilização das nossas faculdades e capacidades para atenuar os problemas da Sociedade. Uma fórmula que nos faz passar do sentimento de pena à acção e mudar as coisas para melhor. Para proveito, ao fim e ao cabo, de todos, e contando cada vez mais para tal com o poder da Web. Ter compaixão é um traço inerente à nossa espécie. Faz parte da nossa existência enquanto seres humanos e está constantemente presente na forma como nos ligamos uns aos outros e com o mundo que nos rodeia. A compaixão pode ser encontrada em todas as religiões, ciências e políticas no mundo inteiro. Actualmente, assistimos a uma mutação na maneira como sentimos e expressamos essa compaixão. Tornou-se global, mediatizada e ligada cada vez mais às Marcas e ao seu Marketing, tendo como uma das suas armas mais fortes o Entretenimento.

Divergent

EN | This trend reflects on the reality of multi-tribalization and the idea that individuals now have very different interests, sometimes even seeming conflicting, that shape their identities and behaviors.

PT | Esta mentalidade, que surgiu do próprio conceito de empowerment, acabou por se alargar a outras dinâmicas sociais, como o estilo e as tribos urbanas. Se em décadas anteriores existia uma fácil categorização dos grupos sociais em estratos económicos e outros (dos Beats aos Mods e aos Rockabillies), hoje o indivíduo é divergente e está presente em vários grupos. Ele associa-se por interesses específicos e não por grandes construções ideológicas. Este fenómeno de tribalização múltipla sugere que um indivíduo pode estar na tribo dos surfistas enquanto pertence em simultâneo ao clube de fãs de Star Trek, e a outras tribos. Esta divergência não só promove um maior potencial criativo como novos processos nas relações sociais, tornando as estruturas crescentemente líquidas. Por outro lado, esta tendência também pode ser reveladora de uma certa pressão para a pluralidade de competências, conhecimentos, especializações e identidades, tanto sociais como profissionais. Muitas empresas esperam hoje por um verdadeiro “Homem do Renascimento”.

Empowered Education

PT | A Educação torna-se um destino e um objeto da inovação. Ela reúne em si um conjunto de características e de necessidades emergentes que a colocam numa perspectiva de fronteira, ou “fringe”.
1. Prática – O saber-fazer tornou-se cada vez mais importante e mais necessário do que o saber por si só. Apesar do quadro teórico ser uma necessidade, o desenvolvimento de competências e de ferramentas
tomou primazia.
2. Rápida – O ritmo acelerado do mundo contemporâneo e a necessidade de ganhar um número cada vez maior de competências diferentes dão origem a cursos mais curtos, descartando horas teóricas em prol de uma maior aplicabilidade e problematização.
3. Eficaz – Conteúdo relevante e rápido de absorver significa uma maior eficácia no ensino. Ao eliminar a redundância e ao polir as formações para conter apenas ‘o que interessa’, aumenta-se a eficácia e mantém-se os níveis de interesse e de relevância mais altos.
4. Multidisciplinar – Pi-shaped people será a realidade de muitos profissionais. A multiplicidade de competências e de conhecimentos, personalizados ao gosto e às aptidões pessoais, está a crescer entre formados e formandos.
5. Tecnológica – Uma grande ajuda e ao mesmo tempo uma dependência. É muito difícil, especialmente para a Geração Z, imaginar a vida sem múltiplos ecrãs e monitores. A tecnologia permite levar o conhecimento a aldeias remotas nos extremos do mundo e permite uma vida simplificada, mas dependente, no meio urbano.
Como resultado, certas manifestações saltam à vista como um crescente celebritismo de certos docentes( que ganham reconhecimento através de conferências, de livros ou até dos MOOCs), mas há também um interesse por associar empresas e marcas à formação (ou de estas promoverem os seus próprios programas). Outra questão que se coloca é o papel ou o fim da palestra, através da sua articulação com outros elementos como viagens imersivas, ou a integração com um regime de educação online e b-learning, bem como o surgimento de acções de formação mais informais para a troca de competências (a tecnologia ganha um papel crescente). Os vídeos e a internet tornam-se também ferramentas cada vez mais importante de educação.

Unknown Submission and Acceptance

EN |  In the most extreme opinions exists the abstaining from the real problems, in addition to political extremism, leading to the incapability to to understand the depth of causes.  At the heart of this issue there is the socially acceptable and the politically correct, which dictate passive-aggressive rules. This concept replaces the concept of being correct – however uncomfortable and / or painful it may be – and will appeal to smaller and passenger interests. There is a mixture of imported values ​​that few really believe and that will create serious problems, starting with stupefaction, lack of critical spirit or simplification. We accept, as we have no tools to deal with this communication and to distinguishing arguments or deconstruct speeches. Political correctness is not a tool for building a more just present or a better future, it is the mere use of injustices and past problems as a platform for social projection and the policy of some. Alongside these politically correct ideas, we have to consider the culture of victimization that arises as a result of this trend. In trying to understand these problems there is a gap in the interpretive skills that allows us to accept everything as respect for others. Social networks, extreme activism and intellectual laziness and action become extremely annoying, including the forms of expression that go against the lifestyles and the precepts we are accustomed to.“ To accept,  by imposition of a collective ghost, the unknown, because the tools to deconstruct the real do not exist. ”

PT | Na opinião extrema existe a abstenção dos problemas reais, do extremismo politico ao ideológico, revoltado mas incapaz de compreender a profundidade das causas. No seio desta questão está o socialmente aceite e o politicamente correto que nos dita regras passivo-agressivas. Esta clivagem coloca em causa o conceito de ser e agir corretamente – por mais incómodo e/ou doloroso que possa ser – e vai ao encontro de interesses menores e passageiros. Existe uma mistura de valores importados em que poucos realmente acreditam e que vai criar graves problemas, começando pela estupidificação, falta de espírito crítico ou simplificação. Aceitamos, pois não temos as ferramentas para lidar com esta comunicação e distinguir argumentos ou desconstruir discursos. O politicamente correto não é um meio para a construção de um presente mais justo, pois é o mero aproveitamento de injustiças e problemas do passado contínuo como plataforma para a projeção social e política de uns. A par destas ideias do politicamente correto, temos de considerar a cultura da vitimização que surge como consequência desta tendência.  Ao tentar compreender estes problemas existe uma falha nas competências interpretativas, o que permite aceitar tudo como respeito do outro.  As redes sociais, ativismos extremos e uma preguiça intelectual e de ação tornaram extremamente irritante este compactuar com tudo, incluindo as várias formas de expressão que vão contra os estilos de vida e os preceitos a que nos habituámos.
“Aceitar, por imposição de um coletivo fantasma, o desconhecido, pois as ferramentas para desconstruir o real não existem.”

Female Up & Rising

EN | This is a Trend which branches are not only spreading but also which roots are deepening more and more. Its fundamental postulate is that women are strongly pursuing their drive for a full integration in society, business and politics – and thus no longer needing to ask for protection. More and more turn their minds and actions to show how they are different from both established stereotypes and men in particular. Also, that there are powerful and positive changes this difference can bring to the fold, for business and societies. In other words, this trend is all about women feeling fit to be and do a lot more than they are still confined to. It is a question of empowerment (and it is very much related with this mentality) and equality, not feminism, and the need to show the world and their social environment that they are capable and, yes, they can!  Its fundamental postulate is that women are strongly pursuing their drive for a full integration in society, business and politics – and thus no longer needing to ask for protection. More and more turn their minds and actions to show how they are different from both established stereotypes and men in particular. Also, that there are powerful and positive changes this difference can bring to the fold, for business and societies. In other words, this trend is all about women feeling fit to be and do a lot more than they are still confined to.

*Note: It is a Micro trend, but it does not follow under the category of consumer behavior, or others. It is what can be called a “gender related trend”. Although Trends Observer does not work on such category, the editorial council and the senior trends analysts felt the need to incorporate it on the list.

PT |Esta é uma tendência cujas ramificações estão crescendo. O seu postulado fundamental é que as mulheres estão a procurar cada vez mais o impulso para uma integração plena na sociedade, negócios e política – e, portanto, não precisam mais de pedir proteção. Cada vez mais, transformam as suas mentes e ações para mostrar como são diferentes dos estereótipos estabelecidos. Além disso, que há mudanças poderosas e positivas que esta diferença pode trazer para as empresas e a sociedade. Em outras palavras, esta tendência revela que as  mulheres estão sentir uma aptidão para ser e fazer muito mais. É uma questão de poder (e ele está muito relacionado com essa mentalidade), de igualdade (não feminismo) e de uma necessidade de mostrar ao mundo e ao seu ambiente social de que são capazes e, sim, elas podem!

* Nota: É uma tendência Micro, mas não se encontra sob a categoria de comportamento do consumidor, ou outras semelhantes. É o que pode ser chamada de uma “tendência relacionada com o género”. Embora o Trends Observer não funcione com tais categorias, o conselho editorial e os analistas seniores sentiram a necessidade de incorporá-lo na lista.

error: Content is protected !!